Pessoal

O amor salva (às vezes é o problema também)

Sumi? sumi!

Não só daqui, mas na vida de forma geral, dei uma afastada dos amigos, até da minha família. Sabe aquela coisa de estar com o corpo presente, porém a alma não tá ali? Sou eu esse ano todo.

Algumas situações aconteceram e eu desenvolvi um medo das pessoas, uma falta de confiança, um pavor real pensando em qual seria a próxima pessoa que eu amo que faria algo pra me magoar profundamente. E assim eu peguei uma conchinha, entrei nela e aqui estou. Nas últimas semanas comecei a abrir um espacinho pequeno nessa concha pra ver como estão as coisas lá fora e parecem um tanto menos assustadoras.

É muito triste quando amamos pessoas, mas sabemos que naquele momento algumas situações não nos fazem bem. Isso aconteceu comigo com bem mais de uma pessoa nos últimos meses. Com muito custo eu me afastei de algumas dessas situações que estavam me sufocando. Existe aquele famoso pensamento de que “o tempo cura tudo”. Bem… isso é uma verdade. Com o tempo começamos a ver as coisas de forma mais ampla, menos intensa e assim analisamos onde estão os problemas, os erros, os acertos, o que faz bem e o que não faz.

Eu tenho uma qualidade que também é um defeito: eu penso muito. Analiso tudo demais! em mim, nos outros, em tudo! E aí que isso é muito bom quando eu estou calma e consigo enxergar bem o que eu estou sentindo ou o que me faz mal. No geral sou muito boa em não tampar o sol com a peneira e ver o que faço de errado pra corrigir, o que me faz bem e quando chega a hora de sair correndo. Porém quando estou ansiosa eu não consigo avaliar bem as coisas, acabo entrando em um desespero enorme porque quanto mais eu penso menos eu chego em algum lugar. E aí eu entro em paranoias e medos que me sufocam e eu me fecho.

Hoje eu estou me esforçando pra deixar de lado principalmente pensamentos ruins, achar que nada vai dar certo, pressões que eu mesma coloco em mim de porque deixei tudo chegar em um ponto tão fora do controle, etc. E o mais importante, estou começando a deixar as pessoas se aproximarem de novo. Tenho conversado mais com a minha irmã, que é a melhor pessoa do mundo, tenho parado de alimentar pensamentos de que todos os meus amigos vão me abandonar, estou tentando separar novamente quem são as pessoas que eu posso e devo confiar pra me apoiarem nesse momento tão bizarro.

Semana passada encontrei uma amiga querida que não via desde dezembro do ano passado e fiz um resumão do que aconteceu comigo em 2018. Foi difícil, eu passei mal quando comecei a contar tudo e ouvi dela uma frase que me ajudou: “calma, você só está me contando o que aconteceu, essas situações ruins já passaram!”. É isso, estou tentando processar que já passou, agora só estou aprendendo a lidar com os traumas que ficaram e com as dores que precisam ser cuidadas pra cicatrizarem. Mas foi ótimo ver também como eu estou me sentindo melhor, como eu consegui lidar com tudo melhor do que eu imaginava, porque eu não surtei, não deixei de viver, não abandonei minhas responsabilidades e estou bem melhor hoje e mais calma. Saí dessa conversa me sentindo orgulhosa de mim.

Escrever é uma das minhas formas de organizar os pensamentos e desabafar o que tem aqui dentro, então preciso voltar a fazer isso. Chega de acumular muitas coisas, de mergulhar em desespero. Preciso ficar bem. A boa notícia é que já tem uma luz no fim do túnel, estou começando a me sentir eu mesma de novo, e estou deixando as pessoas que eu amo se aproximarem de novo. Como eu senti falta de mim e dos meus amigos!

Em SP eu fazia terapia uma vez por mês, agora eu faço sempre que vou visitar a cidade (a cada 3 meses, mais ou menos), mês passado meu terapeuta falou muito sobre como eu não estou mais com raiva ou desesperada, mas estou carregando muita tristeza. É o que ficou de tantas mágoas e dores. Mas eu não sou uma pessoa triste e nem quero que experiências ruins me impeçam de viver experiências boas ou me marquem de forma tão permanente que mude minha personalidade.

Torçam por mim! Nesse setembro amarelo eu quero reforçar: cuidem do emocional de vocês, nada é mais importante do que isso.
E amigos queridos, obrigada! O amor de vocês me ajuda! Quando eu não conseguia mais vocês que me seguraram. ❤

 

Anúncios
Baseado em fatos reais

Aquele da luz natural, plantas e livros

Nos últimos anos eu morei em algumas casas. Pra quem sempre criou raízes profundas e achou que não teria tantas aventuras na vida, acompanhar minhas mudanças tem sido muito interessante e surpreendente. Ao todo foram 7 lugares onde morei e na maioria eu não me sentia parte do local.

Tantas mudanças de casa me fizeram repensar o conceito de lar. É difícil buscar essa sensação de “estou em casa”. Percebi com muito pesar que é muito comum morarmos em algum lugar e termos uma profunda sensação de falta de pertencimento, como se precisássemos nos movimentar de novo para achar outro local onde vamos conseguir chegar e pensar que ali é possível criarmos algumas raízes, ainda que não seja pro resto da vida. De longe esse é um dos sentimentos mais difíceis de lidar pra mim e que ainda me acompanha, pois eu estou em uma transição e não me sinto em casa em lugar nenhum há muitos anos.

Imagem que encontrei no Pinterest e não sei o autor. 😦

Sempre que eu penso no meu lar ideal eu penso em algo como a imagem acima, com muita luz natural, plantas e livros. E me dá uma vontade enorme de construir um lar sozinha. Ou melhor, só eu de humana com um gatinho preto me fazendo companhia. rs Acordar, colocar música e tomar café. Sentar pra ler um livro. Olhar pela janela o sol se pondo. E pensar que o mundo cabe ali dentro daquele espaço que tem a minha cara e a minha energia.

A única coisa que atrapalha esse meu plano de construir um lar sozinha é quando eu olho pra você e penso que você combina tanto com luz natural, plantas, livros e um gato… e que talvez eu esteja buscando um lar no seu peito e não em uma casa.

Gotas do cotidiano · Pessoal

Aquele do jantar em família

Essa semana eu tive uma segunda-feira comum que se tornou especial. Não aconteceu nada de mais, mas foi um dia onde todas as pessoas na casa do meu pai estavam de bom humor e tivemos um momento de apreciação das companhias uns dos outros. Eu, meu pai, meus irmãos e meu cunhado.

Eu e meu cunhado somos muito parceirinhos e começamos a noite cozinhando juntos. Meu irmão chegou e começou a ajudar e deixou tudo ainda mais agradável. Compartilhar esses momentos deixa a comida diferente! Perguntar como as pessoas gostam que algum alimentos seja preparado, fazer uma receita que você ama e quer que as pessoas gostem, fazer tudo colocando amor e bom humor na comida… isso fez com que a janta comum da segunda parecesse um jantar de Natal! ❤

Meu pai estava descansando enquanto cozinhávamos e minha irmã chegou em casa e se juntou a ele. Comemos juntos, ganhei elogios pela minha farofa e fiquei feliz, ficamos vendo novela e rindo. Minha família é muito implicante, então quando nos juntamos é um festival de piadas e zoeiras sobre a vida e o jeito do outro.

Teve um momento no meio da noite que eu fiquei quieta observando como a gente precisa valorizar esses dias simples. Isso é a pitada de felicidade genuína no meio dos nossos dias cansativos e estressantes. Dividir a vida com a família e os amigos é o que faz tudo ser suportável.

Minha família é complicada, como qualquer outra, tem dias que eu quero me isolar porque não aguento tanto barulho, confusão e drama, porém nós temos muito amor e muito carinho. E isso é demonstrado na simplicidade.

Essa semana é complicada pra nós, a Páscoa não é um momento feliz lá em casa, porém a semana começou com essa união gostosa e isso vai fazer com que tudo seja mais fácil de lidar. ❤

Baseado em fatos reais

Aquele do SMS noturno

Naquele dia nublado no meio do verão deu pra usar meia pela primeira vez em semanas! Um sentimento gostoso toma conta depois de tomar um banho quente, passar hidratante, vestir uma blusa de manga comprida e meias.

Não tão gostoso quanto pegar o celular e ver que tem uma mensagem sua.

 

(os textos dessa categoria são apenas baseados em fatos reais. Realidade misturada com pura ficção de uma mente imaginativa)

Pessoal

Aquele que fala de Valentine’s e relações

Hoje é Valentine’s day, que é o Dia dos namorados em muitos países do mundo. Ao contrário do nosso dia dos namorados no Brasil (12/06) o Valentine’s day não celebra apenas o amor romântico, mas também o afeto entre amigos e família. Eu gosto muito mais dessa ideia de comemorar o amor de forma geral do que apenas o amor entre casais.

Hoje acordei bem pela primeira vez depois de algumas semanas dormindo muito mal, vi que era Valentine’s day e fiquei ainda mais feliz. Isso porque ontem eu dormi depois de conversar com um dos meus melhores amigos, que é uma das minhas pessoas favoritas de todo universo. Olha que maravilhoso é isso, passar um tempo conversando com um amigo tem esse poder de diminuir o peso dos ombros e encarar as coisas de forma mais positiva. ❤

Atualmente não estou em uma relação amorosa, então fiquei a manhã toda pensando nas relações que construí com muita gente. Como é louco ver sentimentos aparecendo, crescendo, se transformando e até desaparecendo. Se relacionar, em qualquer nível, demanda muito trabalho, tempo e esforço, então hoje em dia eu seleciono com muito carinho e critério quem eu quero ao meu lado, pois quero dedicar minha energia e meu tempo principalmente com pessoas que valem muito a pena e que vão me tratar com reciprocidade.

Claro que tem aquelas pessoas que falamos pouco, mas temos um carinho gigaante! Mas isso é o legal nessa vida, nós temos camadas em tudo, nunca vamos nos relacionar com todos os amigos da mesma forma. Com alguns será aquela coisa mais superficial, tipo o colega de trabalho que você almoça todo dia, mas não sabe nem qual é o nome da mãe dele. Isso não quer dizer que essa amizade seja ruim, pode ser algo super leve e gostoso que alegra os seus dias e você cria um carinho super agradável.

Porém eu sou uma pessoa que gosta de conhecer o outro além daquela superfície, eu gosto de me encantar pelas pessoas, conhecer detalhes que não estão ali na cara pra todo mundo ver, observar como os outros veem o mundo. Quando eu encontro alguém que também quer uma relação mais profunda, seja amizade ou um romance, não tem sentimento mais feliz! ❤ E nem precisa ser uma pessoa nova, pode ser aprofundar a relação com aquele amigo que antes era mais superficial. Ou então ver um outro lado de alguém que você já conhece e sentir aquela amizade ir se transformando em um romance… Sentimentos são coisas realmente surpreendentes e que nos mantém vivos!

Não tem jeito, eu sou uma romântica incurável! E uma apaixonada por pessoas! Por mais que o ser humano me assuste e eu tenha uma vontade constante de me isolar pra não ter que conviver, eu amo a complexidade das pessoas! Amo a nossa capacidade de se apaixonar, de criar afeto com um desconhecido que vira quase seu irmão! A  vida só vale a pena pelas relações que construímos!

Nesse Valentine’s day queria dizer a todos os meus amigos: eu amo muito vocês! O maior presente que recebi do universo foi ter conhecido tanta gente foda em uma mesma vida! Já disse isso mil vezes e direi mais mil! ❤
E quem sabe em 2019 (ou no Dia dos namorados brasileiro) meu coração estará menos cheio de amizade e mais cheio de amor romântico? rsrs
A gente pode estar de coração partido, mas librianos não desistem de amar!

giphy

 

Overdose de fotos de alguns dos maiores amores da minha vida:

 

 

 

Pessoal

Aquele que fala de mudanças. (de novo)

Então né… já devem ter meia dúzia de posts neste blog falando de momentos de mudança e dos meus sentimentos neles. Mas o que é a vida se não um monte de alegrias e tristezas e planos e mudanças de planos?

Nos últimos dias eu estou mais emocional que o costume, a mudança de casa está se aproximando e com isso terei tantas mudanças na vida que bate aquele mix de animação com medo! Além disso eu tirei férias em janeiro, passei 20 dias no Rio vendo família e amigos e voltei pra minha rotina. Olha, não é fácil lidar com a escolha de morar em outra cidade… mas isso é assunto pra outro post.

Eu também sou muito apegada a aniversários, dia 23 e 24 foi aniversário de duas pessoas que amo muito, Thomas e Elienai, e apertou demais a saudade (principalmente pq tinha acabado de vê-los no RJ, né… e assim que eu volto é sempre aquela sensação de “mas gente, pq eu escolhi isso mesmo?”) e hoje seria aniversário do meu avô, que infelizmente não está aqui mais. A saudade vem com tudo e eu queria as palavras dele sobre minha mudança de cidade/casa.
E aí que eu escrevi textões pros meninos nos aniversários deles, e toda vez que eu escrevo mensagens de aniversário como essas eu fico com lágrimas nos olhos pensando em como eu tenho sorte de ter aquele ser tão incrível na minha vida e como eu queria fazer mais coisas pra vê-lo feliz. Aí eu penso na minha mudança e de que vou fazer isso de novo sem eles por perto, bate aquele desespero e eu penso que eu dou conta sozinha. E depois eu fico pensando “dou conta mesmo???”… looping eterno de pensar que obviamente eu sou uma mulher forte que consegue se cuidar sozinha, pra em seguida ser esmagada pela insegurança e medo das novidades. Mas eu gosto de mudanças e novidades, então me encho de novo de animação pq vai dar tudo certo.

Eu basicamente estou escrevendo aqui pra não surtar! 😀

É isso migos… segue o baile. Me desejem sorte. E saúde mental. Tô precisada.

giphy (1)

giphy (2)

Pessoal

Vem com tudo 2018!!

2017 foi um ano… esquisito, né? A maior parte das pessoas que eu conheço teve um 2017 bem complicado com muitos plot twists que deixaram todo mundo meio QUUEEEE????

O meu foi assim também. E aí que as coisas andam tão loucas pro meu lado que eu simplesmente abandonei isso aqui e quase todo tipo de escrita. O que não faz sentido, já que eu escrevo na tentativa de colocar a mente em ordem. Mas ok, segue a vida, não dá pra também ficar me cobrando esse tipo de coisa.

Ano passado foi um ano que eu considero melhor do que 2016, mas não faz muito sentido, pois eu saí dele completamente destruída emocionalmente e sem saber como será minha vida daqui pra frente. Porém também foi um ano de amadurecimento e eu sei que sou uma pessoa mais forte. A minha vida espiritual também acalmou de uma forma diferente do que eu esperava e isso tem me dado um sentimento de paz interior que tem me ajudado a segurar a onda de tudo. Além disso esse foi o ano que eu senti meus amigos tão perto de mim que o coração cresceu um pouco pra conseguir guardar tanto amor.

Eu detesto festas de fim de ano, por mim não comemoraria Natal e passaria o ano novo sozinha vendo TV e comendo comidinhas gostosas (o que não quer dizer que eu não me divirta com a família, mas… no geral toda essa comemoração me causa mais ansiedade do que outras coisas). Mas mesmo detestando as festas eu amo o sentimento de ciclo encerrando e outro ciclo começando. Não importa o que esteja rolando, sempre vem aquele sentimento de: “eu posso recomeçar, eu posso me reconstruir, vai aparecer uma fase melhor pela frente…” A esperança é uma coisa realmente poderosa.

2017 foi o ano que: eu não consegui ainda me mudar da pensão e isso me gerou uma tristeza enorme, briguei com uma das minhas melhores amigas e isso me causou um sofrimento que nunca tinha sentido na vida, perdi meu cachorrinho e tive o coração partido em mil pedacinhos, me separei de um relacionamento de 6 anos e que veio mais um tanto de frustrações e sofrimento e coração ainda mais partido, a vida financeira estava um pouco menos desesperadora, mas nem perto de estar boa.

Por outro lado foi o ano que: como eu disse, comecei a me reencontrar espiritualmente, me permiti ser eu mesma com toda plenitude possível, fiquei ruiva (algo que eu queria há anos), consegui segurar a onda no trabalho sozinha quando minha chefe entrou de licença, descobri que gosto de meninos e meninas, amei meus amigos mais que nunca e me grudei neles e vi que quando eu não conseguia mais fazer nada eles me pegaram no colo e realmente seguraram o meu mundo. ❤

Olhando pra trás eu vejo como 2017 foi intenso! Eu queria ter feito algumas coisas diferentes, mas é o momento de olhar pra frente, colar o que está quebrado aqui dentro e ir atrás de um ano muito foda! Não está sendo fácil me recuperar das porradas que recebi em 2017, principalmente nos últimos meses, mas vai ser um ano de casa nova, renovar o coração, estudar pra realizar os sonhos profissionais, melhorar a auto-estima, sair totalmente da zona de conforto e viver uma vida nova.
Vem 2018, tenho grandes planos pra você!

giphy